Pages

sábado, 4 de dezembro de 2010

Recomendações para o Jejum

“Naqueles dias eu, Daniel, estive pranteando por três semanas inteiras. Nenhuma coisa desejável comi, nem carne nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com unguento, até que se cumpriram as três semanas completas.” (Dn 10, 2-3)

 “Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste teu espírito a compreender, e em que te humilhaste diante de teu Deus, tua oração foi ouvida, e é por isso que Eu vim.” (Dn 10, 12).

 
Este jejum parcial praticado por Daniel é um exemplo de um período de abstinência parcial que todos nós podemos fazer sem abrir mão de nossa vida diária e de como este jejum contribuiu para que ele recebesse uma revelação espiritual ao final. Mas por que e como devemos nos abster ou jejuar?

Estudos sugerem que o jejum não muito prolongado pode beneficiar fisicamente nosso corpo, funcionando como um pit stop para nossos órgãos que aproveitam este período de descanso para  se desintoxicarem e para uma manutenção mais profunda.  Ao final de um período de jejum você observará também como seu paladar e olfato estarão mais aguçados, valorizando e percebendo melhor o sabor e aspecto dos alimentos.   

Mas as diversas tradições religiosas que observam o jejum, o utilizam como uma base para o exercício das disciplinas interiores de seus participantes.  Assim sendo, o jejum para finalidade espiritual deve, necessariamente, ser acompanhado de um esforço intensificado de ampliação da visão espiritual através da oração e da meditação e prática dos ensinamentos éticos que recebemos. 


Cuidados Físicos para o Jejum

- Antes de mais nada, consulte seu médico, especialmente se tem algum problema específico que exija acompanhamento, mesmo que suas convicções religiosas creiam que problemas físicos possam ser curados mediante intervenção espiritual.  Seu corpo é um templo, e cabe a você cuidar dele. 

- Não comece o jejum total abruptamente. Dois dias antes, no mínimo, comece a reduzir as porções e comer mais alimentos saudáveis como frutas e verduras e reduzir a carne, para preparar seu corpo. 

- Hidrate-se bastante, durante tempo todo, principalmente no jejum total.  Lembre-se de que hidratar-se é beber água, sucos naturais sem açúcar, chás naturais ou água de côco.  O açúcar das bebidas adoçadas desidrata seu corpo ao invés de hidratar.  

- Se o seu jejum é parcial, como este feito por Daniel, por três semanas abstendo-se de determinados tipos de alimentos, aproveite para comer com mais saúde ainda, variando os tipos de verduras e frutas, e comendo-as frescas e cruas sempre que possível.  É importante também variar bastante dentre as opções disponíveis de grãos. 

- Limite suas atividades físicas, de acordo com o jejum, principalmente no caso do jejum total (abstinência de alimentos sólidos).  Mas os exercícios moderados ou habituais podem continuar a serem feitos. 

- Um pouco de desconforto é natural, assim como um pouco de dor de cabeça e tontura, mas se os sintomas ultrapassarem o limite esperado, não hesite em interromper o jejum e consultar seu médico, se for o caso.

- O jejum pode levar a um emagrecimento inicial, porém a tendência natural de seu corpo é compensar o período de abstinência quando o jejum acabar.  Não exagere ao final do período de jejum, ainda mais se o jejum foi de abstinência total, volte a se alimentar gradativamente, reiniciando por alimentos mais leves. Além de quebrar a proposta espiritual do jejum, o final abrupto também é bastante prejudicial a sua saúde.

- Não faça  jejum imaginando que seja uma ferramenta eficiente para emagrecer, pois não funciona desta forma.  No jejum o seu corpo reduz o metabolismo para equilibrar a privação a que é submetido e não queimará gorduras a médio e longo prazo, pelo contrário.  No caso de dietas para emagrecimento o melhor é comer regularmente e em menores intervalos, escolhendo alimentos com maior valor nutricional.  A dieta também deve ser feita durante um prazo mais longo, com a redução gradativa do peso para seu corpo ir se habituando à mudança. No entanto você poderá utilizar o período de desintoxicação do jejum como uma etapa inicial para iniciar de fato uma alimentação mais saudável.

- No caso do jejum de abstinência parcial, o objetivo não é ficar com fome, mas alimentar-se sem gordura, sem carne, sem açúcar, sem café, por exemplo.  Sua consciência lhe indicará quais são os alimentos "desejáveis" de que deverá se abster, aqueles que escolhemos para satisfazermos nosso prazer em comer, muito mais do que propriamente para sermos nutridos. Durante o jejum parcial coma em seus horários habituais em quantidades que o deixem saciado, mas sem exagerar. 

- É um momento também para refletirmos sobre o quanto nossos padrões alimentares refletem de nossa ética, especialmente quanto à prática de não comermos carne.  No geral, nossa civilização come mais do que precisa, o que gera a fome dos que não tem sequer o indispensável.  Também comemos normalmente alimentos excessivamente industrializados,  "viciando" nosso paladar nos aditivos nocivos que os compõem, ao invés de preferir os alimentos como naturalmente foram concebidos por Deus, e que a cada dia mais se descobre ser  a alimentação que preserva a saúde humana.


Cuidados Espirituais para o Jejum

- A preparação física do jejum se destina a nossa reflexão e a nos mantermos mais receptivos espiritualmente.  As disciplinas de oração e meditação devem necessariamente acompanhar um jejum, para que ele tenha um caráter espiritual. Porém o mais importante é abster-se do Mal em todas as suas formas durante todo o tempo, porém com mais ênfase ainda durante este período que você deverá separar para um exercício consciente de sua espiritualidade.

- Inicie seu período de jejum com um momento de reflexão e confissão de pecados, pedindo perdão por eles e remediando-os imediatamente, se for possível. Procure aquele a quem magoou e tenha uma conversa sincera reconhecendo seu erro. Restitua o que tirou injustamente de alguém. Resolva os problemas que causou. Não adiantar sermos perdoados e continuarmos pecando ("Vá, e não peques mais" (João 8:11)

- É comum, durante o jejum, que nos sejam reveladas áreas de nosso comportamento em que precisamos trabalhar, ou que surjam lutas espirituais que nos mostrem algumas destas dificuldades para as quais não estávamos atentos. Esteja atento ao que Deus lhe mostrar e seja humilde para reconhecer onde precisa melhorar.

- Como já mencionamos, o principal objetivo de um jejum é comunhão com Deus, não devendo o mesmo ser feito com o propósito de algum tipo de troca em que você ofereça seu jejum para que receba algo em retorno.  Porém o jejum é uma arma efetiva quando nos encontramos em batalhas espirituais e para nos apresentarmos como intercessores em oração, sendo legítimo que você apresente estes alvos a Deus.

- Acompanhe o jejum da leitura e meditação espiritual sistemática e diária.  No caso do jejum de Daniel, por 21 dias, é sugerida a leitura diária de um capítulo do Evangelho de João, que tem exatamente este mesmo número, contendo revelações bastante profundas do caráter de Jesus e de seus ensinamentos para nós.  Experimente também também fazer um diário espiritual de suas reflexões e experiências durante estes dias.

- Abstenha-se, dentro do possível para um jejum mais prolongado, do excesso de informação que recebemos normalmente: televisão, internet, conversas improdutivas.  Tente recolher-se a si mesmo e exercitar um certo jejum de palavras, especialmente daquelas que podem magoar alguém ou que nada possam produzir de útil e use este tempo para fazer o bem a alguém. É impressionante o tempo que despendemos com coisas inúteis e que poderia ser melhor empregado.

- Mantenha seu jejum em secreto, dentro do possível.  Não faça de sua busca espiritual um motivo de orgulho ou de vaidade espiritual, caso contrário será totalmente inútil, ou até mesmo nocivo aos verdadeiros objetivos do jejum.

"Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os homens vejam que eles estão jejuando. Eu lhes digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa. Ao jejuar, ponha óleo sobre a cabeça e lave o rosto, para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê no secreto. E seu Pai, que vê no secreto, o recompensará". (Mateus 6:16-18)

- Utilize seu período de jejum para exercitar também atos de amor específicos, que acabamos não praticando em nosso cotidiano tanto por falta de tempo, como mencionamos acima, por omissão  ou por egocentrismo.  Leve uma doação ou preste serviços a quem precisa, visite um conhecido ou parente com dificuldades para levar uma palavra amiga,  praticque boas ações, preferencialmente anônimas  ("Que não saiba sua mão esquerda o que faz a direita. (Mateus 6:3).

- Conscientize-se para tentar ser uma pessoa melhor e mais humilde também depois do período de jejum, que é uma ferramenta e uma etapa, não um fim em si mesmo.  O que Deus mais quer de nós é nossa prática diária do bem e não a piedade infrutífera a qual muitas vezes nos engtregamos como justificativa para anestesiarmos nossa consciência e não nos esforçamos para praticarmos os atos que verdadeiramente significam sermos éticos e sermos cristãos, como bem foram advertidos os homens por intermédio de Isaías:

"Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo?

Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?

Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do SENHOR será a tua retaguarda.

Então clamarás, e o SENHOR te responderá; gritarás, e ele dirá: Eis-me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo, e o falar iniquamente;

E se abrires a tua alma ao faminto, e fartares a alma aflita; então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia.

E o SENHOR te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares áridos, e fortificará os teus ossos; e serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam.

E os que de ti procederem edificarão as antigas ruínas; e levantarás os fundamentos de geração em geração; e chamar-te-ão reparador de brechas, e restaurador de veredas para morar." (Isaías 58: 6-12)