Pages

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

A Solidão e sua Porta

Quando mais nada resistir que valha
A pena de viver e a dor de amar
E quando nada mais interessar
(Nem o torpor do sono que se espalha)

Quando pelo desuso da navalha
A barba livremente caminhar
E até Deus em silêncio se afastar
Deixando-te sozinho na batalha

A arquitetar na sombra a despedida
Deste mundo que te foi contraditório
Lembra-te que afinal te resta a vida

Com tudo que é insolvente e provisório
E de que ainda tens uma saída
Entrar no acaso e amar o transitório

Auto: Carlos Pena Filho, poeta pernambucano, morto em um acidente de carro aos 31 anos, em 1960.

0 comentários:

Postar um comentário